Neste post, você verá: 

 

  • O que é Diabetes?
  • Diabetes Tipo 1
  • Tratamento para Diabetes tipo 1
  • Diabetes tipo 2
  • Tratamento para Diabetes tipo 2
  • Quais os cuidados que a escola e os professores precisam ter com os alunos que possuem Diabetes?
  • O que fazer em caso de hipoglicemia


Não existe uma comprovação de que a Diabetes possa interferir na aprendizagem segundo a literatura. Quando está sob controle o aluno poderá realizar qualquer atividade na escola, deve ter o mesmo tratamento dos demais alunos, e uma observação mais atenta da equipe educacional sobre as alterações que poderão ocorrer com a hiperglicemia (aumento de açúcar no sangue ou a hipoglicemia (diminuição do açúcar no sangue). O conhecimento sobre o tema contribuirá para uma melhor observação do aluno, entendimento de suas características durante o período escolar e intervenção da equipe educacional quando necessário a fim de evitar complicações.

Ao receber um aluno com diabetes é importante que a equipe educacional conheça sobre o tema que, muitas vezes é informado pelos pais (excelentes informantes por viverem a rotina diária), ou pelas equipes de saúde da comunidade, além da nutricionista responsável pela alimentação escolar.

 

O cuidado somente será de qualidade se todos desempenharem os papeis importantes: conhecer, informar e agir corretamente.

 

Você pode gostar:

Como utilizar o termômetro na escola?

Meningite na escola, o que o professor e os pais precisam saber? 

 

 

O que é Diabetes?

 

Quando falamos sobre Diabetes ocorrem vários questionamentos sobre o assunto, como:

 

  • O que é Diabetes?
  • Existe mais de um tipo dessa doença?
  • Crianças e adolescentes também podem desenvolver essa patologia?
  • Quais os sinais e sintomas que pais e responsáveis, assim como outras pessoas que passam muito tempo com as crianças precisam ficar atentas?
  • Como é realizado o diagnóstico e o tratamento?
  • E finalmente quais os cuidados que a escola e o professor precisam ter com esse aluno?

 

O QUE É DIABETES

Fonte: Google imagens livre

 

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, pelo menos 170 milhões de pessoas sofrem da doença atualmente, e em 2025, este número deverá atingir 300 milhões de pessoas. No Brasil cerca de 10 milhões de pessoas têm diabetes e metade delas desconhece essa situação.

 

Conheça o que acontece com o organismo da pessoa com diabetes no vídeo:

 

 

Diabetes Tipo 1:

 

A Diabetes tipo 1 é um tipo de diabetes, que acomete crianças e adolescentes, é uma doença autoimune, onde o próprio organismo reconhece as células que produzem a insulina como “inimigas” e as destroem. Dessa maneira o organismo deixa de produzir a insulina ou à produz em uma quantidade muito pequena e ineficiente, sendo necessário a suplementação da insulina.

Lembramos que a insulina é um hormônio responsável pela entrada de glicose na célula, para ocorrer a liberação de energia, sem a insulina a glicose se acumula na corrente sanguínea, e o organismo começa a “queimar” gordura como fonte para a obtenção de energia, porém este processo acarretará desequilíbrios metabólicos como a cetoacidose diabética.

Ainda não se sabe ao certo porque algumas pessoas desenvolvem essa doença, e porque algumas pessoas mesmo tendo os genes, não desenvolve o diabetes. O diagnóstico é realizado pelo médico através de exames laboratoriais e correlação com os sinais e sintomas do paciente.

Os sinais e sintomas são:

  • Tontura
  • Palidez
  • Tremores
  • Sonolência
  • Dor de cabeça
  • Alterações visuais
  • Confusão mental
  • Mudança na personalidade ou conduta, como choro e riso inapropriado e dificuldade na concentração
  • Suor excessivo

 

Tratamento para diabetes tipo 1:


As crianças e adolescentes devem realizar um acompanhamento médico com um endocrinologista pediátrico, após uma avaliação completa, ele indicará qual será o melhor tratamento para cada caso. O controle rigoroso da glicemia capilar várias vezes por dia e a administração de insulina fazem parte do tratamento. Também é necessário ocorrer uma reeducação alimentar dirigida para as necessidades desses pacientes, conforme sua faixa etária, orientada por uma nutricionista.

 

Conheça mais sobre Diabetes tipo 1 no vídeo elaborado pelo projeto Universidade das Crianças que transforma perguntas feitas por crianças em programas de áudio e vídeos de animação:

 

 

Diabetes Tipo 2:

 

Na Diabetes tipo 2 os adultos após os 40 anos são os mais acometidos, mas crianças também podem apresentar. Está relacionado com outros fatores como hereditariedade, sedentarismo e obesidade. Neste caso, o pâncreas é capaz de produzir a insulina, porém ocorre uma resistência do organismo a ação desse hormônio. O diagnóstico também é realizado pelo médico, através de exames laboratoriais e correlação com os sinais e sintomas que este paciente está apresentando.

Sinais e Sintomas:

  • Cansaço frequente
  • Fome e sede em excesso
  • Perda de peso
  • Visão embaçada
  • Dificuldade na cicatrização das feridas

 

Tratamento para Diabetes tipo 2:

 

O médico endocrinologista, após a avaliação completa, irá direcionar o tratamento adequado para cada paciente. Dieta equilibrada, emagrecimento, exercício físico regular, ou ainda o tratamento medicamentoso pode fazer parte do tratamento.

 

Acesse nossos materiais gratuitamente:

E-book sobre o manejo da febre na escola

Vídeo sobre o atendimento a uma crise convulsiva.

 

Quais os cuidados que a escola e os professores precisam ter com os alunos que possuem diabetes?

 

  • Em primeiro lugar é importante a escola realizar um trabalho de conscientização dos colaboradores, e entre os próprios alunos, para que todos possam entender melhor o que é o diabetes e as condições de saúde do colega com diagnóstico de diabetes, promovendo assim o acolhimento do aluno por parte dos colegas e professores.
  • O aluno com diabetes pode precisar sair mais vezes da sala de aula para beber água e ir ao banheiro.
  • É importante realizar a orientação diária dos pais sobre o aproveitamento educacional do aluno e os possíveis sintomas/alterações quando apresentados.
  • Poderá ocorrer também, a necessidade de se alimentar fora dos horários habituais de lanche, principalmente antes da prática de exercícios físicos.
  • Durante o horário do recreio é importante observar se este aluno realizou a refeição anteriormente, pois poderá ocorrer hipoglicemia diante do esforço típico de brincadeiras consideradas mais ativas.
  • Dependendo da atividade física realizada e de sua duração, talvez seja necessária uma pausa para um lanche extra, pois durante a atividade física mais intensa e prolongada os músculos retiram mais açúcar do sangue o que favorece a ocorrência de hipoglicemia.
  • A alimentação do aluno com diabetes deverá seguir um cardápio escolar especial (com preparações destinadas para essa patologia), o tamanho das porções também deverá ser adequado, essas e outras orientações sobre a alimentação deste aluno deverá receber orientação de um nutricionista.
  • A criança deverá realizar as refeições juntamente com os outros colegas, tornando este momento o mais natural possível.
  • É importante que o professor tenha em mãos os telefones dos pais, da equipe de saúde referenciada pela escola e do médico endocrinologista que faz o acompanhamento deste aluno em caso de eventualidades.
  • Para escolas que possuem cantina, é importante que o aluno receba orientação sobre as melhores opções para hora do lanche.
  • Nos dias festivos que ocorrem na Escola é importante solicitar opções de bebidas dietéticas e orientar este aluno para evitar preparações com açúcar, porém deverá ser permitido o consumo de salgados mais saudáveis, algumas unidades de docinhos e uma fatia pequena de bolo.
  • Por precaução é recomendado medir a glicemia antes e após a festa, se necessário medicar e manter a alimentação saudável depois.

 

 

PRIMERIOS.SOCORROS.ESCOLA.CRECHE.SEGURA.ESCOLA.INCLUSIVA.MANUAL.DIABETES

 Faça o download gratuito do manual da Criança com diabetes do Instituto da Criança com Diabetes aqui.

 

O que fazer em caso de hipoglicemia
 

A hipoglicemia é a diminuição acentuada da glicose poderá acarretar sérias consequências como perda da consciência ou crise convulsiva, por isso é importante atentar para os sintomas e proceder conforme as recomendações abaixo.

Os sintomas de hipoglicemia são:

  • Tremores
  • Suor excessivo
  • Tontura
  • Sensação de fraqueza
  • Fome
  • Dor de cabeça
  • Irritação
  • Sonolência
  • Pesadelos ou choro durante o sono


Conheça nossas formações e assessoria sobre saúde e segurança escolar, acesse o portfólio aqui.

 

O Instituto da Criança com Diabetes recomenda as seguintes alternativas em caso de hipoglicemia:

 

  1. Suco de frutas (não diet) – 150ml (um copo) ou
  2. Refrigerante (não diet) – 150 ml (um copo) ou
  3. Uma colher de sopa rasa de açúcar e ½ copo d´água

 

Se os sintomas não desaparecerem em 15 minutos, repetir o procedimento adotado. Após o desaparecimento dos sintomas é recomendado oferecer um lanche ou adiantar uma refeição já programada. Manter o aluno sentado em repouso e sempre acompanhado. Também é recomendado que o aluno tenha sempre consigo açúcar (tabletes de açúcar ou balas de fácil dissolução).

 


PRIMERIOS.SOCORROS.ESCOLA.CRECHE.SEGURA.ESCOLA.INCLUSIVA.MANUAL.NUTRICA.DIABETES
 

Faça o download gratuito do Manual de Nutrição.

 

PRIMERIOS.SOCORROS.ESCOLA.CRECHE.SEGURA.ESCOLA.INCLUSIVA.MANUAL.NUTRICA.DIABETES.COMIDA

Acesse o livro Comida que Cuida. Clique aqui.  

 

 

Receba nossas publicações e mantenha-se atualizado sobre saúde e segurança na escola. Cadastre-se aqui. 

 

Veridiana Ferreira Torres

Enfermeira Especialista em Cardiologia pela Unifesp e Pós-Graduada em Docência do Ensino Superior 

 

 

Letícia Spina Tapia

Enfermeira e Fisioterapeuta, Mestre no Ensino em Ciências da Saúde e Coordenadora Nacional do Programa Escola Segura.

 

 

 

 

 

Publicado em: 28/12/2015

Revisado em: 15/04/2017

 

Referências: